Por Renato Vargens

Quase todos os dias eu fico sabendo de uma nova doutrina relacionado à batalha espiritual. Na verdade, é impressionante a quantidade de bobagens, heresias e esquisitices fabricadas por alguns  líderes evangélicos.

Nessa semana eu fiquei pensando sobre os reais motivos que levam pastores e "apóstolos" a inventarem tantas doutrinas relacionadas a batalha espiritual, e cheguei a conclusão que em parte  isso deve a um parco entendimento sobre a doutrina da suficiência de Cristo.

Isso mesmo! Tanto os pastores como os apóstolos modernos demonstram desconhecer que a morte e ressurreição de Cristo foi suficiente para livrar e libertar o homem de qualquer tipo de maldição, mesmo porque, se conhecessem essa verdade não inventariam tantas estapafúrdias doutrinas. Senão bastasse isso a supremacia e a suficiência de Cristo têm sido negadas pelos mais variados tipos de pastores cujos ensinos não encontram respaldo nas Escrituras. 

Contrapondo-se a visão destes pastores e apóstolos de que além de Cristo é preciso  mais alguma coisa, para libertar o pecador das maldições provenientes das trevas,  afirmo sem titubeios que Cristo é tudo, e que sua obra na cruz foi plena, completa e que nada nem ninguém, nem tampouco nenhuma estratégia de batalha espiritual pode contribuir com a libertação do pecador. (João 8:36; Colossenses 1:13)

Isto posto, afirmo sem titubeios que Cristo é suficiente e que tentar inserir doutrinas, mandingas, achismos ou percepções espirituais no cotidiano do cristão afirmando ser isso armas de uma batalha espiritual é pecar contra Cristo, bem como as verdades reveladas pelas Escrituras.

Pense nisso!

Renato Vargens 



Voldemort é o principal vilão da saga Harry Potter. Ele é tão temido pelos seus contemporâneos que o seu nome é evitado.  Ele  é denominado como "Você-Sabe-Quem", ou "Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado" ou ainda "Aquele-Cujo-Nome-Não-Deve-Ser-Pronunciado" e "Quem-Nós-Sabemos", em vez de seu próprio nome. Voldemort é seguido por uma grande quantidade de bruxos que o servem não por amor e sim por medo. 

Pois é, talvez você esteja dizendo consigo mesmo: "Mas, o que isso tem a ver com os apóstolos neopentecostais? Por acaso eles são bruxos?"  Ora, de forma alguma estou afirmando isso. Quando aponto similaridades entre Voldemort e os apóstolos modernos não o faço da perspectiva do ocultismo, mas, sim, na capacidade que possuem de promoverem MEDO em seus seguidores.

Por acaso você já se deu conta que muitos pastores impõem sobre os seus liderados medo?  Já percebei que não são poucos os líderes que ao se sentirem frustrados ou confrontados em suas doutrinas amaldiçoam seus liderados? Lamentavelmente em nome de Deus, tais pessoas rogam “pragas e desgraças” àqueles que em algum momento da vida se contrapuseram aos seus sonhos e vontades. Nessa perspectiva, tem emergido em nossas comunidades o toma-la-dá-cá evangélico. Basta alguém cogitar mudar de igreja que lá vem maldição.


Tais líderes partem do pressuposto que o pastor em nome de Deus tem o poder de amaldiçoar outras pessoas através da oração positiva e determinante. Em outras palavras, os caras ensinam que o pastor pode  rogar ao Senhor da glória o aparecimento de desgraças e frustrações na vida de seus desafetos, determinando assim a desventura alheia. 


Caro leitor, confesso que fico assustado com o "evangelho" pregado por alguns pastores. Infelizmente um número significativo de líderes evangélicos adeptos da teologia do medo oprimem seus seguidores escravizando-os em nome do MEDO.

Tempos complicados os nossos!

Voltemos as Escrituras e fujamos dos apóstolos "Valdemorianos"!

Renato Vargens
Por Renato Vargens

O ministério de louvor Diante do trono da Igreja Batista Lagoinha, em 2000, lançou um CD cujo título é “águas purificadoras”. Dentre as canções daquele álbum, houve uma que promoveu alguns questionamentos entre os pastores e teólogos, "A vitória da cruz". 

Esta música, apesar do titulo, contém uma frase controversa que diz: ”Jesus crucificado e o inferno em festa se alegrou. Pensaram ter vencido e derrotado o salvador”.

Ora, a letra dessa canção é uma inverdade, até porque, o adversário das nossas almas e suas hostes malignas, não tinham o que comemorar visto que as Escrituras sempre deixaram bem claro que a morte de Cristo Cruz foi suficiente para vencer satanás. (Gênesis 3:15; Colossenses 2:15) Portanto,  é um grave equívoco afirmar que os demônios se alegraram ou fizeram festa com a morte de Cristo, pois foi exatamente na sua morte que eles foram derrotados. Além disso, a Bíblia em nenhum momento afirma que o inferno é morada de satanás, antes pelo contrário, as Escrituras desconstroem esse pensamento. (Jó 1:06; Efésios 6:1-12) Ademais, vale a pensa ressaltar que o diabo tentou impedir e até mesmo matar Jesus, antes mesmo que ele chegasse à cruz (Lucas 4.28-30). Isso sem falar é claro, que o diabo não é dono de nada, nem tampouco tem chave de alguma coisa, mesmo porque as Escrituras afirmam que o Jesus é quem tem a chave da morte e do inferno. (Apocalipse 1:18) 

Pense nisso!

Renato Vargens