Alguém já disse que o casamento é como uma ilha deserta, os que estão fora querem entrar, e os que estão dentro desejam sair. Pois é, o casamento não é nada fácil. Na verdade, quantos não são aqueles que se decepcionaram com a pessoa amada depois que casaram não é mesmo? Quantos não são as mulheres que descobriram que em vez de príncipes, casaram com sapos? Ou quanto não são os maridos que descobriram que suas amadas princesas não passam de bruxas mimadas? Complicado não e mesmo? 

Pensando nisso resolvo escrever 04 tipos de homens que uma mulher cristã não deve casar.

1-) Uma mulher cristã não deve casar com um homem que não ama a Deus, e que devido a isso não professa a sua fé em Jesus como único e suficiente Salvador. (I Coríntios 6:14, Deuteronômio 7:1-4)

2-) Uma mulher cristã não deve casar com um homem que ama o pecado e que senta na roda dos escarnecedores preferindo uma vida ímpia longe de Deus a uma vida de comunhão com o Senhor (Salmos 1)

3- Uma mulher cristã não deve casar com um homem que não cresceu e nem tampouco amadureceu emocionalmente e que em virtude disso continua dependente emocionalmente de seus pais. Lamentavelmente existem homens que mesmo passando dos 30 anos idade, levam uma vida irresponsável , sem nenhuma definição profissional, preferindo à barra da saia da mãe a assumir responsabilidades. ( Gênesis 2:24; Efésios 5:31)

4-) Uma mulher cristã não deve casar com um homem omisso que não esteja disposto a proteger e cuidar da família, educar os filhos no temor do Senhor, e ama-la conforme Cristo amou a Igreja, dando-se e sacrificando-se por ela. (Efésios 5:25; I Pedro 3:07)

Pense nisso!

Renato Vargens 

Estou convicto que parte da igreja evangélica brasileira comumente tem se deixado levar por modismos. Sem sombra de dúvidas essa é  uma das características mais marcantes de uma igreja imatura teologicamente. Ademais, ouso afirmar que a igreja desse pais, devido a fraqueza bíblica de seus pastores tem sido levada com muita facilidade por ventos de doutrinas (Efésios 4:14) 

Nessa perspectiva, quando surge uma nova "sacada" ou revelação, os pastores deste tipo de comunidade, rapidamente abandonam na esquina do esquecimento as revelações passadas em detrimento às novas. 

Tem sido assim nas ultimas décadas. A Igreja passou por inúmeros "ventos" como a busca por  dentes de ouro, cura interior, batalha espiritual, confissão positiva, teologia da prosperidade, quebra de maldição hereditárias e muito mais. No entanto, apesar de algumas destas doutrinas ainda serem fortes em alguns dos nossos arraiais, posso afirmar que aos poucos, parte deste comportamento teológico está sendo substituído pela teologia do "coaching".  Há pouco, fique sabendo de um "coach" que está cobrando 6 mil reais por dois finais de semana com o objetivo de  motivar tanto o pastor como a igreja que por motivos distintos foram vencidos pelo desânimo.

Diante do exposto, resolvo elencar sete motivos porque pastores e igrejas não devem aderir ao "coaching" teológico:

1- Por que as Escrituras devem ser a única e exclusiva forma de consolo, conforto, exortação, admoestação e motivação para o crente.

2- Pelo fato de que o "coaching" incentiva a prática de um evangelho humanista e antropocêntrico.

3- Pelo fato de que uma igreja não é um negócio, nem  o evangelho um tipo de business e tampouco o  crente um cliente que deve ser motivado a encontrar o caminho da felicidade,

4- Porque o "coaching" ensina que o homem deve ter fé em si mesmo, utilizando para isso técnicas humanas onde o indivíduo  é o centro de tudo 

5-  Porque o "coach"  em vez de expor as Escrituras, faz de suas pregações palestras motivacionais confundindo evangelho com empreendedorismo e Cristo com um guru motivacional.

6- Pelo fatos de que as técnicas motivacionais substituem de forma velada, a suficiência de Cristo e das Escrituras.

7-  Pelo fato de que a teologia do "coaching" é mais um braço do pragmatismo religioso  do nosso tempo onde em nome da felicidade do cliente se faz qualquer negócio desde que o objetivo seja atingido.

Pense nisso"

Renato Vargens 



Volta e meia alguém me escreve dizendo que o pastor da sua igreja ou alguém pela a internet revelou que uma tragédia viria sobre vida, que portanto, deveria se preparar porque brevemente passaria dessa para melhor. 

Há alguns anos um dos nossos pastores recebeu a revelação macabra que Deus mandava avisar que em questões de dias ele iria ficar cego. Pois é, claro que nada lhe aconteceu. Noutra ocasião, um irmão recebeu a revelação que a mão de Deus pesaria sobre ele e que uma grande catástrofe viria sobre sua vida e família. 

Caro leitor, a quantidade de irmãos que se deixam levar por "profecias catastróficas" é impressionante. De fato não são poucos aqueles que com medo da tragédia acreditam piamente em tudo aquilo que os profetas da desgraça revelaram.

Diante do exposto, permita-me lhe dar algumas dicas preciosas que poderão lhe ajudar diante as profecias do caos:

1- Lembre-se a Bíblia deve ser  a nossa única e inerrante Palavra de Deus, e é por ela que devemos pautar nossas vidas e não por profecias, achismos e percepções de quem quer que seja. 

2- Nenhuma revelação pode contrapor-se as Escrituras, portanto, ao ouvir a "palavra" ou "profecia" verifique à luz da Bíblia se aquilo que foi falado possui embasamento bíblico. 

3- Cuidado com aqueles que dizem que suas revelações são inquestionáveis e que não admitem serem questionados ou confrontados em seus ensinos. Todos aqueles que agem desta maneira demonstram ser falsos profetas. 

4- Cuidado com aqueles que dizem que não podemos julgar o que tá sendo revelado ou ensinado. As Escrituras nos ensinam que as profecias devem ser julgadas. (I Corintios 14:29; I Tessalonicenses 5:19-21) 

5- Cuidado com aqueles que dizem que Deus os revelou  algo que ninguém até então tenha ouvido ou aprendido. Pessoas que afirmam terem uma revelação especial de Deus são falsos mestres portadores de falsas profecias.  

6- Lembre-se que as Escrituras possuem tudo aquilo que precisamos. Paulo Escreveu a Timóteo dizendo que Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra. (II Timóteo 3:16-17) 

Isto posto, cuidado com os PROFETAS do medo. Lamentavelmente existe uma grande quantidade de pessoas ávidas por poder, que em nome da tragédia, iludem outras pessoas a fim de extirpar destas algum benefício.

Pense nisso!

Renato Vargens

Pois é, existem homens que parece que não cresceram e nem tampouco amadureceram.

Por acaso você já percebeu que nossas igrejas estão repletas de homens imaturos emocionalmente? Lamentavelmente, em nossas comunidades encontramos uma multidão de indivíduos que facilmente se magoam e ofendem por tudo. Na verdade, basta alguém o contrariar que logo imbica se fazendo de vítima. Quantos por exemplo não são aqueles que dizem que não vão a igreja porque o pastor não o cumprimentou no culto de domingo, ou porque, alguém o contrariou em sua opinião.

Ora, é impressionante a quantidade de homens  "chorões" que ao enfrentarem os conflitos naturais ao trabalho e família dramatizam tudo, reclamando que são vítimas de injustiça. Eu particularmente já vi vários destes que ao se sentirem contrariados desenvolvem o velho discurso "ninguém me ama, ninguém gosta de mim, eu sou perseguido, hostilizado, e etc e tal. 

Prezado amigo, vamos combinar uma coisa? O que tem de homem "mimimi" que não sabe e nem tampouco consegue enfrentar de frente seus problemas não está no gibi, não é mesmo? 

Sinceramente está faltando a muitos homens, hombridade, coragem e disposição de enfrentar os problemas de frente, abandonando definitivamente o "vitimismo" comum a essa geração. Para tanto, torna-se indispensável que haja no coração daquele que vivencia este tipo de comportamento, disposição de mudança, como também  uma abertura ao Espírito Santo, reconhecendo prioritariamente  a necessidade de uma nova postura social.

Definitivamente alguns anos precisam amadurecer e acordar para a vida deixando de lado o comportamento vitimizador que o torna incapaz de resolver seus problemas,  dilemas  e conflitos relacionais.

Pense nisso!

Renato Vargens

Muitos são aqueles que vivem reclamando de suas igrejas e por conseguinte de seus pastores. Para estes nada está bom. Na verdade, ouso dizer que para os murmuradores de plantão a igreja que congregam tem mais problemas que o time do Vasco quando rebaixado à segunda divisão do brasileirão. 

Ora, por acaso você já parou para pensar que alguns dos problemas que sua igreja experimenta poderiam ser solucionados? Por acaso você já refletiu que se em vez de reclamar das dificuldades de sua comunidade local, você fosse mais presente auxiliando a liderança de sua igreja, muitos problemas seriam resolvidos? 

Diante disso, resolvi escrever cinco maneiras em que um crente pode ajudar seu pastor a edificar sua igreja, senão vejamos:

1- Orando pelo pastor, pelos líderes e pelos departamentos da igreja.

2- Reclame menos e auxilie mais. Ora, se a igreja está suja, ajude na limpeza; se faltou água no bebedouro, providencie; se não tem ninguém para ajudar no estacionamento, voluntarie-se.

3- Seja um apagador de incêndios. Infelizmente tem gente que gosta de ver "o circo pegar fogo". Se alguém reclama, essa pessoa reclama junto, se outro murmura, ela murmura também. Que tal comportar-se de forma diferente, não incentivando, muito menos alimentando a murmuração alheia?

4- Incentive o seu pastor, encorajando-o mesmo diante das lutas, a continuar firme no ministério, na pregação, no aconselhamento, no pastoreio e na condução da igreja.

5- Seja um servo. Em vez de um assistente de culto, procure o pastor de sua igreja e se ofereça para servir em alguma área da comunidade local, atenuando com isso a sobrecarga de trabalho daqueles que por falta de trabalhadores são obrigados a fazer mais do que necessário.

Pense nisso!

Renato Vargens