O deus adolescente do movimento gospel



Parte do movimento gospel pensa que Jesus é um grande irmãozão, que tem por finalidade divertir a rapaziada. Nessa perspectiva tenho visto adolescentes e jovens tentando se relacionar com deus, como se ele fosse um amiguinho da turma. 

Outro dia vi uma moça usando termos extremamente pejorativos para o Senhor, tratando o Rei dos reis como se fosse um colega da escola.  Há pouco vi nas redes sociais uma outra pessoa afirmando que o Eterno Deus não faz somente papel de Senhor, mas,  dança com ela danças desengonçadas, e que sonha com ela desde a primeira vez que a viu. Ora, vamos combinar uma coisa? Ainda que as Escrituras nos ensine e mostre que o Senhor se torna amigo daqueles que por Cristo foram resgatados, ela não nos da base para desenvolvermos uma fé infantilizada. 

Isso mesmo. A fé desenvolvida por esse tipo de cristão é imatura, infantil e psicodélica. 

Veja a bem, as Escrituras nos ensinam que o Exelcior  Deus, o Soberano, o Rei dos reis, o Justo Juiz, o criador, o Todo Poderoso, reina e governa o universo, e que ele é o temível Deus, portanto, quando nos aproximamos dele, ainda que o façamos em confiança no seu sublime amor, devemos fazê-lo entendendo quem ele é. Ademais, não encontramos na Bíblia, absolutamente ninguém, lidando com Deus como se amiguinho fosse. Nem mesmo Abraão, Davi, João, Pedro e Paulo que desenvolveram relações extremamente próximas do Senhor o trataram como essa geração tem feito. 

Isto  posto, penso que bom senso, reverência, respeito e entendimento de quem seja o Senhor é fundamental a todos àqueles que desejam relacionar-se de forma saudável com aquele que por amor nos salvou.

Pense nisso!

Renato Vargens


9 comentários:

Muito bem dito.

20 de dezembro de 2016 04:36 comment-delete

Como sempre uma ótima abordagem, o peso de falar abertamente é grande, mas dou graças a Deus por levantar homens como Natã que não tiveram medo de Davi e de sua espada, que a paz de Cristo esteja com você.

20 de dezembro de 2016 08:08 comment-delete

Quanto mais nos aproximamos do Senhor,mais reconhecemos a sua soberania.
É um absurdo o que temos visto e ouvido da parte de muitos que se dizem cristãos ,mas não temem a Deus.

20 de dezembro de 2016 14:02 comment-delete

Parabéns!

22 de dezembro de 2016 13:39 comment-delete

Perfeito !!! Sem mais

1 de janeiro de 2017 12:19 comment-delete

Tem muitos cristaos que confudem irreverência com maturidade.

1 de janeiro de 2017 13:17 comment-delete

Renato vargens, parabenizo a sua pessoa e louvo a Deus por sua vida, obrigado por sua abordagem

15 de março de 2017 23:20 comment-delete

Muito bom!

16 de março de 2017 19:10 comment-delete

Tem uma coisa que temos que considerar. Além de Deus ser Rei, Soberano, Sacerdote, Senhor e tantas outros titulos mais, através de Jesus Ele é também Pai (Rm.8:15). E um relacionamento com um Pai é bem diferente do relacionamento com um rei.
Com um pai há intimidade, afeto e uma maior liberdade, embora também deva haver o respeito.
E Jesus mesmo disse que já não nos chama servos, mas amigos (Jo. 15:15).

16 de março de 2017 20:52 comment-delete